THOUSANDS OF FREE BLOGGER TEMPLATES

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Por que adoecemos?

Psicossomática IV: Por que adoecemos?















Quando ficamos doentes pensamos em nos curarmos e nem sequer pensamos nos motivos que nos levaram a tal doença, mas é muito importante entender as motivações que nos fazem adoecer. Afinal, por que adoecemos? Essa com certeza não é uma resposta fácil de ser respondida, mas as pessoas adoecem porque têm necessidade de adoecer, ainda que inconsciente, por mais difícil que seja aceitar esse fato. Por que haveria a necessidade para o adoecer? Vamos analisar alguns fatores desencadeantes do adoecer:
- fuga
- incapacidade de expressar as emoções
- desejo de autopunição
- necessidade de atenção (muito comum em crianças e idosos)
- estresse

- Fuga:
A doença pode ser uma válvula de escape dos conflitos emocionais. De alguma forma, ao adoecer somos "obrigados" a nos retirar da rotina para buscar a cura, é como se fosse uma maneira de nos cuidarmos, e que muitos deixam esse importante quesito para a manutenção da saúde em segundo plano. Por exemplo, o caso de um empresário que sofre um infarto quando se depara com a falência de sua empresa. Muitas vezes a doença pode ser mais destrutiva que a agressão original, mas que naquele momento não foi mais possível suportar. Se a pessoa se encontra num momento de fragilidade, ou seja, sem mecanismos de defesa, mais facilmente ela adoecerá. O mais indicado é não negar o sofrimento ou o conflito pelo qual se passa, mas nem sempre a própria pessoa consegue identificar o que sente. A dor tem que ser sentida e esgotada, pois só assim será superada.

- Incapacidade de expressar as emoções:
A incapacidade de expressar as emoções é um fator importante na origem das doenças orgânicas. Em nossa sociedade, apesar de que nos últimos anos, felizmente, está realidade tem mudado, não há espaço para manifestações de afeto, exteriorização das emoções ou do sofrimento psíquico. Em nossa cultura é muito mais aceitável, por exemplo, uma justificativa pela ausência da pessoa no trabalho, em função de alguma doença física do que por alguma dificuldade emocional. É mais aceitável um enfarte, onde todos ficam comovidos e preocupados; do que uma depressão, ou outro sofrimento psíquico, que geralmente é visto como "frescura". Claro que isso acontece muito mais em função da falta de conhecimento, da ignorância, do que pelo fato em si. Essa postura intolerante diante do sofrimento psicológico fica evidente no comportamento de algumas pessoas que convivemos. A doença física parece ser mais merecedora de atenção e cuidados do que aquele que sofre sem apresentar alterações orgânicas. Isso faz com que muitas pessoas tenham vergonha de sua dor psíquica, não tendo muitas vezes, espaço nem coragem, para expressar seu sofrimento, escolhendo assim, ainda que inconscientemente, a expressão pelo físico.

Como no exemplo citado do empresário, diante das dificuldades e não suportando seu sofrimento e angústia, ao sofrer um infarto, ele sabe que todos lhe darão amparo e cuidados; mas se ele se colocasse a chorar e lamentar-se por sua dor, poderia receber desprezo e ser visto como alguém fraco.
É comprovado que as pessoas que suportam suas dores sozinhas adoecem com maior freqüência e de maneira mais grave que aquelas que verbalizam suas dores. Algumas pessoas criam dentro de si verdadeiras prisões emocionais. A incapacidade de comunicar com palavras seus sentimentos faz com que o corpo expresse esses sentimentos, ou seja, o adoecer é a forma inconsciente de mostramos nosso sofrimento de uma maneira mais aceitável ou quando não conseguimos fazê-lo de outra maneira.

- Autopunição:
A autopunição surge para aliviar a ansiedade causada por um sentimento de culpa, derivado de um comportamento real ou imaginário, onde a pessoa se agride internamente. São pessoas que inconscientemente se sentem culpadas e merecedoras de castigo. Geralmente com a culpa, sempre vem a autopunição.
Quando há um conflito, mesmo que não tenhamos consciência de sua existência, será motivo de muito sofrimento, e se não for adequadamente resolvido, resultará em um estado de desequilíbrio do organismo a que chamamos doença. Como nem sempre conseguimos modificar a realidade, temos que nos adaptarmos a ela. Esse processo de adaptação não ocorre impunemente. Os meios que nossa psique lança mão para controlar o conflito são através dos mecanismos de defesa, que podemos entender como válvulas de escape de uma panela de pressão, que se não existirem, a panela explode. A explosão seria a doença, pois nem sempre os mecanismos de defesa conseguem ser eficazes.

- Necessidade de atenção:
A doença surge como uma forma de obter atenção, principalmente em crianças e idosos.
A opção pelo adoecer se faz pelo que chamamos de ganhos secundários. Para muitas pessoas a doença e o repouso na cama satisfazem suas necessidades de dependência, e até de descanso, como o ambiente hospitalar, que oferecem a oportunidade de satisfação parcial ao serem alimentados, cuidados e protegidos no mundo exterior. Ou as visitas constantes ao médico, tendo que as ouça e lhes dê um pouco de atenção, principalmente entre os idosos.

Se quando crianças ficávamos doentes e éramos atendidos, quando adultos podemos relacionar ficar doente com obter atenção, buscando preencher as carências e necessidades. Quando ficamos doentes não ficamos mais carentes de atenção, colo, carinho? Isso acontece porque um dos mecanismos de defesa muito comum durante a doença é a regressão, onde passamos a ter comportamentos próprios da infância. A regressão significa uma dificuldade em enfrentar ou controlar as situações de conflito. É como se, voltando a agir como criança, desistíssemos de lutar e nos entregamos aos cuidados dos outros.

- Estresse:
O estresse é um conjunto de reações que o organismo desenvolve quando submetido a uma situação que exige esforço para sua adaptação. É uma tensão emocional constante e quando essa tensão se torna intensa e prolongada, poderá haver falha nos mecanismos de defesa e surge a doença.
A expressão corporal constitui o primeiro e mais primitivo meio de comunicação e de defesa que o ser humano dispõe, principalmente nos momentos que as defesas estejam bloqueadas.
A vinculação entre estado psicológico e baixa das defesas do organismo baseiam-se nas alterações orgânicas que as situações do estresse provocam: maior produção de cortisona (hormônio produzido pelas supra-renais), que ocorre nessas situações, levaria à maior destruição das células de defesa do organismo. A relação entre o estado psicológico e as doenças não ocorre apenas nas situações de estresse, mas também de tristeza, ou toda sobrecarga de tensão emocional.

Diante do exposto acima, podemos perceber que as origens das doenças podem ser muitas, mas se analisarmos mais profundamente podemos perceber que a necessidade de adoecer está sempre relacionada com a falta de amor a si mesmo, e a necessidade desesperada de reconhecimento e atenção do mundo exterior. E ainda mais, percebemos como é importante expressarmos nossas emoções!

Rosemaire Zago

sábado, 20 de agosto de 2011

*** INIMIGOS OCULTOS ***






Sofre de REUMATISMO,
Quem percorre os caminhos tortuosos
Quem se destina aos escombros da tristeza
Quem vive tropeçando no egoísmo.
 
Sofre de ARTRITE,
Quem jamais abre mão
Quem sempre aponta os defeitos dos outros
Quem nunca oferece uma rosa.
Sofre de BURSITE,
Quem não oferta seu ombro amigo
Quem retesa, permanentemente, os músculos
Quem cuida, excessivamente, das questões alheias.
Sofre da COLUNA,
Quem nunca se curva diante da vida
Quem carrega o mundo nas costas
Quem não anda com retidão.
 
Sofre dos RINS,
Quem tem medo de enfrentar problemas
Quem não filtra seus ideais
Quem não separa o joio do trigo.
 
Sofre dos PULMÕES,
Quem se intoxica de raiva e de ódio
Quem sufoca, permanentemente, os outros
Quem não respira aliviado pelo dever cumprido
Quem não muda de ares.
 
Sofre do CORAÇÃO,
Quem guarda ressentimentos
Quem vive do passado
Quem não segue as batidas do tempo
Quem não se ama e, portanto, não tem coração para amar alguém.
 Sofre da GARGANTA,
Quem fala mal dos outros
Quem não solta o verbo
Quem repudia
Quem omite
Quem usa sua espada afiada para ferir
Quem reclama o tempo todo.
Sofre do OUVIDO,
Quem julga os atos dos outros
Quem não se escuta
Quem costuma escutar a conversa dos outros
Quem ensurdece ao chamado divino.
 
Sofre dos OLHOS,
Quem não se enxerga
Quem distorce os fatos
Quem não amplia sua visão
Quem vê tudo em duplo sentido
Quem não quer ver.
 
Sofre de DISTÚRBIOS DA MENTE,
Quem mente para si mesmo
Quem não tem lucidez
Quem preza a inconsciência
Quem menospreza a intuição
Quem não vigia seus pensamentos
Quem não pensa na vida
Quem se ilude
Quem mascara a realidade
Quem não areja a cabeça
Quem não se dá
Quem não ama.
CAUSA e EFEITO. AÇÃO e REAÇÃO.
Tudo está intrínsecamente ligado.
Tudo se conecta o tempo todo.
E assim passam os anos sem que o ser humano conheça a si mesmo.
Somos, certamente, o maior amor das nossas vidas!
Assim como o nosso maior inimigo é aquele que está oculto e que habita,
inexoravelmente, no interior de nós mesmos.
(Desconheço a autoria)

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Alimentação e Vibração Energética


Entenda porque certos alimentos baixam nossa energia, comprometendo a longevidade e dificultando nossos esforços de elevação espiritual.

A certa altura do caminho espiritual, todos nós somos avisados que alimentos industrializados, artificiais e de origem animal, assim como bebidas alcoólicas, drogas e guloseimas devem ser evitados porque deixam muitas toxinas em nosso organismo. A justificativa para essa indicação é que a intoxicação do corpo baixa nossa vibração energética.

Para quem deseja compreender melhor a relação entre alimentação e nível vibratório, transcrevemos uma passagem do livro O Segredo de Shamballa, de James Redfield (Editora Objetiva). Autor do clássico A Profecia Celestina, Redfield é espiritualista e pesquisador. Para escrever o texto a seguir, ele baseou-se no trabalho do médico Phd Theodore A. Baroody, um especialista em medicina preventiva e nutrição. Aqui, Redfield explica com grande clareza e simplicidade como a dieta influi no nível de energia dos seres humanos.

A maioria das pessoas é cheia de energia e entusiasmo durante a juventude, mas, depois, na meia-idade, começa a escorregar lentamente ladeira abaixo e finge não perceber. Afinal, todos os amigos estão na mesma situação e seus filhos são ativos, então eles passam cada vez mais tempo sentados, comendo as coisas que têm gosto bom. Não demora até que comecem a ter queixas e problemas crônicos tais como dificuldades digestivas e irritações da pele que atribuem à idade, e então, um dia, contraem uma doença grave, de cura difícil. Geralmente procuram um médico que não ensina prevenção, e se põem a tomar remédios; às vezes o problema é resolvido, às vezes não é. E então, com o passar dos anos, elas pegam uma doença que piora progressivamente, e percebem que estão morrendo; seu único consolo é pensarem que o que está acontecendo com elas ocorre com todo mundo, que é inevitável. E o pior é que esse colapso de energia acontece, até certo ponto, até mesmo com quem pretende ser espiritualizado. (…) Se procuramos ampliar nossa energia e ao mesmo tempo consumirmos alimentos que nos roubam essa energia, não chegamos a lugar algum.

Temos de avaliar todas as energias que rotineiramente permitimos que entrem em nosso campo de energia, especialmente os alimentos, e evitar tudo que não seja o melhor para que nosso campo continue forte. (…) Sei que por aqui existem muitas informações conflitantes a respeito dos alimentos. Mas a verdade está aqui também. Cada um de nós precisa pesquisar, tentar ter uma visão mais ampla. Somos seres espirituais que viemos a este mundo para aumentar a nossa energia. No entanto, grande parte do que encontramos aqui se destina simplesmente ao prazer sensual e à distração, e grande parte mina a nossa energia e nos empurra para a desintegração física. Se realmente acreditamos que somos seres energéticos, devemos seguir o caminho estreito por entre essas tentações.

Estudando a evolução, você verá que, desde o início, tivemos de escolher nosso alimento experimentando e errando, apenas para descobrir quais eram bons para nós e quais nos matariam. Se comer esta planta, você sobrevive; se comer aquela ali, morrerá. Hoje, já sabemos o que nos mata, mas só agora estamos aprendendo quais são os alimentos que aumentam a nossa longevidade e mantêm alta a nossa energia, e quais nos prejudicam. (…) Parecemos ser de matéria, carne e sangue, mas somos átomos! Energia pura! A ciência já provou esse fato. Quando nos aprofundamos no estudo dos átomos, vemos primeiro partículas e depois, em níveis mais profundos, as próprias partículas se transformam em padrões de energia pura vibrando em certo nível.

E se olharmos desta perspectiva para aquilo que comemos, veremos que o que colocamos em nosso corpo como alimento afeta o nosso estado vibratório, ao passo que outros diminuem. A verdade é simples. Todas as doenças resultam de uma queda na energia vibratória; quando a nossa energia cai até determinado ponto, existem forças naturais no mundo que se destinam a desintegrar o nosso corpo. Quando alguma coisa morre, como por exemplo um cachorro atropelado por um carro ou uma pessoa depois de longa doença, as células do corpo imediatamente perdem a vibração e se tornam muito ácidas quimicamente. Esse estado ácido é o sinal para os micróbios do mundo, os vírus, as bactérias e os fungos, de que está na hora de decompor aquele tecido morto. Esse é o trabalho deles no universo físico; devolver um corpo a terra.

Já lhe disse que quando a energia em nosso corpo diminui por causa do tipo de alimento que comemos, isso nos torna suscetível às doenças.
Eis como funciona: quando comemos, o alimento é metabolizado e deixa resíduos ou cinzas em nosso corpo. Esses resíduos são de natureza ácida ou alcalina, dependendo da comida; se ela for alcalina, então pode ser rapidamente extraída de nosso corpo com pouca energia. No entanto, se esses produtos residuais são ácidos, fica muito difícil para o sangue e o sistema linfático os eliminarem, e eles são depositados em nossos órgãos e tecidos como sólidos, formas cristalinas de baixa vibração que criam bloqueios ou rupturas nos níveis vibratórios das nossas células. Quanto mais desses subprodutos ácidos são depositados em nosso corpo, mais ácidos os tecidos se tornam… e adivinhe o que acontece? Um micróbio aparece, sente todo esse ácido e diz: “Ah, este corpo está pronto para ser decomposto.”

Está entendendo? Quando um organismo morre, o corpo muda rapidamente para um ambiente altamente ácido e é consumido pelos micróbios bem depressa. Se começarmos a aparentar esse estado muito ácido, ou estado de morte, então começamos a sofrer o ataque de micróbios. Todas as doenças humanas resultam de um ataque desses. (…)

Todas as doenças surgem por meio da ação microbiana. Vários micróbios foram associados às lesões arteriais da doença coronária, assim como à produção de tumores cancerígenos. Mas, lembre-se, os micróbios estão apenas fazendo a sua função; a verdadeira causa é a alimentação que provoca o ambiente ácido. (…) Nós, humanos, estamos em um dos dois estados: ou no alcalino, de alta energia, ou no ácido, que avisa os micróbios que habitam em nós ou que surgem que estamos prontos para sermos decompostos. A doença é literalmente uma decomposição de alguma parte do nosso corpo, porque os micróbios perto de nós receberam o sinal de que já estamos mortos. (…)

Geralmente, os alimentos que deixam resíduos ácidos em nosso corpo são pesados, cozidos demais, industrializados demais, e doces – como carnes, farinhas, balas, álcool, café e as frutas mais doces; os alimentos alcalinos são mais verdes, mais frescos, mais vivos, tais como legumes frescos e seu suco, verduras, brotos e frutas como abacate, tomate, grapefruit etc…

É muito simples. Somos seres espirituais num mundo espiritual e energético. Vocês no Ocidente podem ter crescido achando que a carne cozida e os alimentos industrializados são bons; mas agora sabemos que eles criam um ambiente de lenta decomposição que ao longo do tempo cobra seu preço.

Todas as doenças debilitantes que afligem a humanidade, como arteriosclerose, enfarte, artrite, aids e especialmente os vários tipos de câncer, existem porque poluímos nosso corpo, o que avisa aos micróbios dentro de nós que estamos prontos para nos decompor, desenergizar, morrer. Sempre nos perguntamos por que certas pessoas expostas aos mesmos micróbios não sofrem o contágio de uma doença; a diferença é o ambiente do interior do organismo. A boa notícia é que, mesmo se tivermos excesso de acidez no corpo e começarmos a nos decompor, a situação pode ser revertida se melhorarmos nossa nutrição e passarmos para um estado alcalino e de energia mais alta. (…)

Estamos vivendo na idade das trevas no que refere aos princípios de um corpo vibrante e altamente energético. Os seres humanos deveriam viver mais de 150 anos. Mas a nossa alimentação é tal que imediatamente começa a nos destruir.
Em toda parte vemos pessoas que estão se decompondo diante dos nossos olhos. Mas não precisa ser assim.

Zhannko Idhao Tsw - Por Alessandro

O que é TOC? você têm?




O TOC (transtorno obsessivo-compulsivo) é um transtorno psiquiátrico que se caracterizam pela presença de pensamentos, dúvidas, imagens ou impulsos desagradáveis e difíceis de afastar (obsessões) e por comportamentos repetitivos (compulsões e rituais) que são realizados em reposta ao sofrimento resultante das obsessões ou de acordo com regras rígidas.

Quais os sintomas do TOC?
Os sintomas do TOC são muitos, mas tendem a se agrupar em alguns tipos mais gerais, incluindo:
- Obsessões com conteúdos agressivos, religiosos e sexuais e compulsões de checagem;
- Obsessões de simetria e compulsões de ordenação, contagem e repetição dos rituais;
- Obsessões de contaminação e compulsões de lavagem ou limpeza;
- Obsessões e compulsões de acumulação (“colecionismo”).
Muitas pessoas tem sintomas obsessivo-compulsivos que, no entanto, não tomam seu tempo, não resultam em sofrimento e não atrapalham o seu funcionamento diário. Estas pessoas não sofrem de TOC. Acredita-se que somente em 2 a 2,5% da população em geral os sintomas descritos acima alcancem gravidade suficiente a ponto de merecer o diagnóstico de TOC.

Quais são as causas do TOC?
Ainda não se sabe exatamente. No entanto, suspeita-se que o TOC seja causado tanto por fatores inatos quanto por eventos ambientais. Por exemplo, sabe-se que até 30% dos pacientes com TOC apresentam histórico familiar de sintomas obsessivo-compulsivos, sugerindo que, às vezes, o TOC pode ser em parte uma doença herdada.
Em contrapartida, em pacientes sem história familiar de TOC, fatores ambientais (como acontecimentos traumáticos ou infecções de garganta) podem ter um papel mais importante.
De qualquer forma, acredita-se que estes fatores biológicos e psicológicos levam a um desequilíbrio químico de alguns circuitos cerebrais, chamados cortico-estriato-tálamo-corticais. Estes circuitos conectam a superfície (ou córtex) dos lobos frontais ao estriado (estrutura cerebral localizada abaixo do córtex) e tálamo (estrutura cerebral mais profunda e central) e daí de volta ao córtex frontal. O uso de medicamentos que aumentam o nível de serotonina na sinapse (espaço de comunicação entre os neurônios) resulta no reequilíbrio (diminuição) da atividade destes circuitos e melhora dos sintomas obsessivo-compulsivos. O mesmo efeito ocorre com tratamento psicoterápico (não medicamentoso) adequado.

Quais doenças que podem ser confundidas com o TOC?
Existe uma série de transtornos psiquiátricos que se assemelham muito ao TOC e por isso são chamados de transtornos do espectro obsessivo-compulsivo. Muitas vezes, esses transtornos são tratados de forma semelhante ao TOC. O maior exemplo deste grupo é o transtorno dismórfico corporal (o ‘sofrimento da feiúra imaginária’), onde o paciente se queixa de uma deformidade física e apresenta vários comportamentos compulsivos, como checar sua suposta deformidade no espelho e buscar, repetidamente, confirmação de amigos e familiares quanto à inexistência de uma anormalidade física.
Frequentemente, as pessoas se referem a indivíduos que abusam de álcool ou drogas, que comem muito, que tem problemas com jogo, ou outros comportamentos excessivos, como “compulsivos”. No entanto, os comportamentos apresentados por estes indivíduos são mais “impulsivos” e não indicam a presença de TOC.
Enquanto os comportamentos de pacientes com TOC reduzem, transitoriamente, a ansiedade e o sofrimento, os comportamentos de pacientes com abuso de álcool, drogas ou jogo são realizados, ao menos no início da doença, para a obtenção de prazer. Nada impede, no entanto, que pacientes com TOC propriamente dito também desenvolvam alguns comportamentos.
Pacientes com depressão, assim como pacientes com TOC, se queixam de pensamentos repetitivos e desagradáveis. No entanto, na depressão estes pensamentos geralmente consistem em ruminações auto acusatórias e não em pensamentos tipicamente obsessivos. Embora sejam dois transtornos psiquiátricos diferentes, até dois terços dos pacientes com TOC apresentam um episódio de depressão ao longo da vida.
A esquizofrenia é uma doença psiquiátrica grave e crônica, na qual o indivíduo costuma perder o contato com a realidade e não reconhecer a irracionalidade de seus sintomas, como delírios, alucinações e isolamento social. Ao contrário, pacientes com TOC geralmente apresentam boa crítica em relação aos seus pensamentos e rituais, e tentam resistir a eles.

Como é feito o diagnóstico de TOC?
O diagnóstico só pode ser feito por um médico, preferencialmente psiquiatra. O diagnóstico envolve a coleta cuidadosa da história clínica do paciente e o exame de seu estado mental.
Caso suspeite de alguma outra causa médica para os sintomas, o médico pode solicitar alguns exames (como exames de sangue, tomografia ou ressonância magnética do crânio). No entanto, na grande maioria dos casos de TOC, esses exames complementares não são necessários.

Emoções que Causam Doenças


Na tradição oriental, existem três fatores causadores de doença que são levados em conta: 

 os fatores externos, os internos e os mistos

Os fatores externos se referem às seis influências climáticas perniciosas (energias denominadas: Vento, Frio, Calor, Umidade, Secura e Fogo). 

Os fatores mistos se referem ao estilo de vida (nutrição, ocupação, atividade física, relacionamentos, traumas, parasitas, etc.). 

E os fatores internos são os que mais nos interessam neste artigo: são as Cinco Emoções.
 

As Cinco Emoções
As Cinco Emoções identificadas pelos orientais como importantes fatores internos que desencadeiam as patologias são: Alegria, Raiva, Preocupação, Tristeza e Medo.
 

Elas afetam as funções harmoniosas dos Órgãos e Vísceras, a formação de Substâncias Puras e o transporte delas através dos Canais de Energia para todas as partes do corpo, podendo assim desestabilizar o equilíbrio Yin-Yang do homem.
Por representarem as modificações do Espírito em reação à percepção de mensagens transmitidas pelo ambiente, as Emoções não são patogênicas em si ou quando o quadro energético não dá condições ao desequilíbrio. Porém, em seguida a stress brutais, extremos, violentos ou muito prolongados essas Emoções, segundo a sua natureza, atuam de maneira oposta sobre a circulação da energia, obstruindo, produzindo excessos ou deficiências.
 

Influência no fluxo energético
O primeiro efeito do estresse emocional é afetar a circulação e a direção apropriada do Qi (Energia), sendo que cada emoção vai ter um efeito particular. Resumidamente:
- Raiva (ressentimento, irritação, fúria, indignação, amargura): a agressividade é uma emoção necessária para a sobrevivência e a adaptação do homem, impulsionando a construção e o crescimento. Já a Raiva (ira) é uma manifestação extrema da agressividade que em vez de ajudar leva à desarmonia interna. A Raiva faz o Qi subir ou ficar contra-corrente, e vários sintomas e sinais aparecerão no corpo e nos órgãos.
- Alegria (excitação excessiva, ansiedade, mania, excesso de estimulação mental): o significado de Alegria como uma causa de doença não se trata obviamente de um estado de contentamento saudável, antes, é um estado de excitação excessiva e ansiosa que pode gerar palpitações, insônia, inquietação, etc. A Alegria consome excessivamente e dispersa o Qi.
- Pensamento obsessivo (preocupação): os pensamentos fixos levam à obsessão, às regras rígidas e à perda de flexibilidade. A preocupação prende e estagna a circulação de Qi. Os sintomas e sinais vão variar dependendo do órgão afetado. A mesma energia que nos dá capacidade de meditação e contemplação irá, se for excessiva e mal orientada, gerar pensamentos focados, “remoídos” e incessantes.
- Tristeza (pesar, dor, mágoa, melancolia): é uma emoção que permite entrar em contato consigo mesmo e elaborar a impermanência e mutação que é inerente à vida, não devendo ser considerada anormal. Já a tristeza profunda, prolongada ou desligada da realidade é problemática e pode levar a um estado depressivo. Ela esgota e torna o Qi deficiente, resultando na diminuição da respiração e da energia como um todo.
- Medo (ansiedade, susto, terror, pânico): é considerado a emoção básica, e é necessário porque ajuda o homem a identificar perigos e a adaptar-se corretamente às situações. Ele modera a impulsividade, aumentando o tempo entre a intenção e a ação. Contudo, em situações de excesso o medo paralisa e faz o Qi descer. Torna a pessoa insegura, dependente e incapaz de realizar objetivos em longo prazo.
 

Equilibrando a mente
A harmonia das funções dos Órgãos e Vísceras e entre as Cinco Emoções a eles ligadas proporciona no homem a capacidade de responder ao meio ambiente de uma maneira equilibrada.
Não devemos confundir nossa vida mental e espiritual com nossa vida emocional. É perfeitamente possível ser ativo e animado sem estar sobrecarregado de emoções excessivas que perturbam a mente e que podem, em certo tempo, resultar em doenças que irão se materializar também a nível físico.

Retirado do Fênix de Jade

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Não desista NUNCA


Mensagens populares

About Me

A minha fotografia
ANALUZ
Infinitamente sonhadora... O meu maior sonho: - encontrar o sentido da VIDA
Ver o meu perfil completo
Visitors
Locations of Site Visitors